Banner rotativo

    Colégio Sagrada Família comemora 95 anos de história

    0

    No último dia 24, as irmãs franciscanas, acompanhadas de pais, professores e alunos, comemoraram os 95 anos do Colégio Sagrada Família em frente ao prédio da escola. O evento teve início às 8h, quando discursaram diretoras, uma professora e um aluno. Após os discursos e o canto de parabéns, o colégio organizou um Drive-Thru solidário, que arrecadou alimentos para a Ação Social Nossa Senhora da Piedade e à Aldeia São José, em prol de famílias carentes. No final da tarde, foi celebrada a Santa Missa na Igreja Matriz, onde discursou também a Irmã chefe de setor.

    “Completar os 95 anos de atividade é ter a certeza de que um trabalho bem feito é como uma semente bem plantada, que gera frutos. E nós podemos ver muitos bons frutos do colégio. Recebemos várias visitas de ex-alunos, que vêm com saudades rever a escola e contar sobre as boas lembranças que guardam daqui”, afirmou a diretora geral do colégio, Irmã Lucia Staron.

    PublicidadePrint

    Pelo colégio, já passaram mais de 20 mil estudantes. Hoje, no total, são atendidos cerca de 2500 alunos. “O maior objetivo da escola é realizar uma formação humana, e religiosa, ou seja, baseada em valores e no olhar voltado a Deus, criador da nossa essência”, disse a Irmã Lucia.

    A história do colégio começou em 15 de janeiro de 1925, quando a pedido do pároco da Piedade, Padre Ladislau Kula, chegaram as primeiras irmãs: Irmã Úrsula Przydrozna, Irmã Filomena Kosiedowski, Irmã Ladislava Bodnar e Irmã Sofia Haluch. A Irmã Úrsula era polonesa e as outras três já eram vocações brasileiras, descendentes de poloneses. As irmãs vieram com o objetivo de educar crianças, adolescentes e jovens e atender a Igreja Matriz Nossa Senhora da Piedade. O vigário cedeu sua residência e foi morar em outra casa, para as Irmãs iniciarem suas atividades.

    A necessidade de um espaço próprio fez com que as Irmãs e pessoas amigas se movimentassem para adquirir uma casa para o funcionamento da escola e, assim, com o empréstimo dos colonos, comprou-se uma casa e depois outra, no terreno onde hoje fica o atual CESF e a casa das Irmãs. Esta escola recebeu o nome de Instituto Santa Terezinha. Com a compra dessas duas casas, o espaço permitia às Irmãs ampliarem suas atividades, abrindo o Internato para meninas que aprendiam trabalhos manuais, pintura e costura.

    A tendência a partir daí foi de crescimento, tanto assim que, sob a direção da Irmã Regina Kachinski, com a ajuda do Monsenhor Aloísio Domanski, do vereador Pedro Soviersoski e do prefeito da época, Joaquim Ribas de Andrade, foi lançada e aceita a ideia da construção de um ginásio.

    Os primeiros professores contribuíram grandemente para a concretização de tão almejada meta, dentre eles: Antonio Cicarino Pereira, Helena Dobrszanki Sávio e Terezinha Puppi, os quais, em companhia da Irmã Regina, percorriam as colônias no intuito de emprestar dinheiro para a construção do tão sonhado ginásio; enquanto a Irmã Crispina Lubel se esmerava na montagem do plano curricular.

    Enfim, em 03 de março de 1947, foi lançada a pedra fundamental para a construção. Após muita luta, no dia 08 de março de 1947, 70 alunos faziam o primeiro exame de admissão, entre eles, Julia Ruszczyk, Madre Fabíola.

    A 15 de março, esses alunos tiveram suas primeiras aulas em salas do Grupo Escolar Macedo Soares, passando em seguida para o Clube Polonês, gentilmente cedido pelo então presidente Pedro Sovierzoski.

    Dr. Francisco Albizu, que muito lutou para a realização da ideia de um ginásio em Campo Largo, foi seu primeiro diretor.

    Em 1949, as obras foram concluídas e as atividades passaram para o prédio que perdura até hoje. O Colégio crescia em número de alunos e também em dificuldades financeiras. Os primeiros professores foram verdadeiros heróis, pois lutavam de mãos dadas, sem benefício financeiro.

    Diante das dificuldades crescentes, em 1958, a pedido do então prefeito Sr. Herculano Schimaleski, o ensino do Colégio foi finalmente estadualizado.

    Os alunos que concluíram o Ginásio precisavam continuar seus estudos. Surgiu a necessidade de tornar realidade o curso de Segundo Grau. Foi o que aconteceu em 1957, com a criação da Escola Normal Secundária Padre José Anchieta (hoje Formação de Docentes), sendo sua primeira diretora a Irmã Fabíola Ruszczyk.

    Para as alunas da Escola Normal realizarem seus estágios, um dos requisitos era a existência de uma Escola de Aplicação, em anexo. Daí a criação da Escola de Aplicação Padre José de Anchieta, no ano seguinte.

    Em 1978, houve a junção do Primeiro e Segundo Graus, passando a denominar-se: Colégio Estadual Sagrada Família – Ensino de 1º e 2º Graus. Com a municipalização houve novamente desdobramento, sendo que da 1ª a 4ª série voltou a chamar-se Escola Municipal Anchieta, lembrando o antigo nome.

    Outro marco histórico foi a partir de 2006, quando foi organizada a volta do curso de Magistério no colégio, então intitulado Formação de Docentes. Já o ano de 2016 marcou a implantação do Curso Técnico em Enfermagem.

    UM DOS PRIMEIROS ALUNOS

    O senhor Albino Augusto foi um dos primeiros alunos da escola. “Quando comecei a estudar no Sagrada Família, em 1928, as aulas eram onde hoje está a casa paroquial. Depois que mudamos para o local atual do colégio. Eram duas casas brancas”, afirmou ele. E prosseguiu: “os alunos de origem polonesa ficavam uma hora a mais depois da aula para aprender a rezar em polonês. A diretora era a Irmã Teresa, muito boa por sinal”.

    IRMÃ DOLORES

    Muitas religiosas passaram pelo estabelecimento de ensino, deixando sua marca, com trabalho e dedicação. Entre elas, está a Irmã Dolores, que trabalhou cerca de 50 anos no colégio, sendo 35 como diretora, e é um dos principais nomes de Campo Largo no último meio século.

    WhatsApp Image 2017-11-21 at 14.32.36

    Deixe seu comentário

    Favor escrever seu comentário
    Favor colocar seu nome