Banner rotativo

    Xiaomi também deseja lançar seu próprio carro elétrico

    0

    A Apple ganhou as manchetes recentemente após a Hyundai revelar os planos da empresa de construir um carro elétrico. Agora, outras especulações apontam que a Xiaomi também está interessada em entrar no mercado de veículos.

    O site chinês iFengNews conversou com fontes próximas da Xiaomi e descobriu que a fabricante de smartphones planeja lançar um carro no futuro. Até o momento, porém, nem mesmo a empresa sabe como vai tentar entrar nesse mercado.

    Imagem meramente ilustrativa.

    De acordo com as fontes, o projeto do carro da Xiaomi é liderado por Lei Jun, o CEO da companhia e principal nome por trás do negócio de smartphones da marca. Como a ideia ainda está em fases iniciais de desenvolvimento, não existem detalhes aprofundados sobre o projeto e, como esperado, a fabricante chinesa não comentou sobre o assunto.

    Ideia antiga

    Apesar de as informações sobre um carro da Xiaomi aparecerem agora, a empresa já dá pistas de que está interessada nesse mercado há anos. A companhia até chegou a lançar um veículo customizado da montadora chinesa FAW, em 2019, com otimizações para seus smartphones.

    O novo projeto, porém, deve ser mais aprofundado, envolvendo a fabricação de peças e montagem do veículo. Caso a Xiaomi siga as tendências da indústria de automóveis, o carro da empresa também deve ser elétrico e trazer funções autônomas.

    Em 2013, o CEO da Xiaomi foi aos Estados Unidos duas vezes conversar com Elon Musk sobre o mercado de carros elétricos. Com isso em mente, pode ser que a firma chinesa até utilize a Tesla como um modelo para sua empreitada no mercado de automóveis.

    Por que fazer um carro?

    O interesse das fabricantes de smartphones em carros acontece devido à estagnação no setor de celulares. As vendas de smartphones caíram consideravelmente nos últimos anos, inclusive durante 2020.

    Segundo estima a CNBC, o mercado de carros é avaliado em US$ 10 trilhões globalmente. Com isso, a Apple, empresa mais lucrativa do mundo mobile, precisaria de uma fatia de apenas 2% no segmento para conseguir bater seus ganhos atuais no setor mobile.

     

     

     

     

     

     

     

     

     

    fonte:tecmundo

    Deixe seu comentário

    Favor escrever seu comentário
    Favor colocar seu nome